quinta-feira, 23 de junho de 2011

Clara como cristal


Olhou para o espelho iluminado com a claridade dos astros,
noturnos,
noturnos astros que brilham nos espelhos mágicos
pendurados em paredes sólidas de vidas sólidas,
vidas penduradas nos astros flutuantes
de mágicas noites iluminadas,
no espelho...
Era ela, sim!!
Não era sólida, mas brilhava
porque a lua e as estrelas estavam lá,
ali,
no seu espelho mágico
feito de vida flutuante,
clara como o cristal.
  Diane Beatris

sábado, 4 de junho de 2011

Dançando com a vida de mãos dadas com a morte...


Viver é estar vivo enquanto atravessamos a noite densa,
é sentir o medo, arrepiar o cabelo, é sentir-se frágil,
machucar o pé nas pedras do caminho, cair e gemer de dor.
É olhar o céu, buscar uma estrela, o claro da lua, alguma luz
que te indique a direção.
É ficar no chão, misturar a lágrima, a terra, o soluço, o vento,
mas apenas o tempo suficiente para não mais querer estar ali.
É desejar libertar-se. Libertar-se. Perceber a noite passando.
Correr ou esperar. Tanto faz.
É dançar com a vida de mãos dadas com a morte!

Alguém gostou muito!!

Loading...

Quando o arquiteto planejou o horizonte

Quando o arquiteto planejou o horizonte
seu coração ardia igual saudades...