sábado, 8 de janeiro de 2011

Tornei-me eu


Minha alma sedenta de mim
bebeu-me toda.
Tornei-me um deserto.
Minha alma saciada de mim
inundou-me toda.
Tornei-me um rio.
Minha alma transbordada de mim
carregou-me toda.
Tornei-me um naufrago.
Minha alma inseparável de mim
tornou-me toda.
Tornei-me eu.
(Diane Beatris)

Nenhum comentário:

Alguém gostou muito!!

Loading...

Quando o arquiteto planejou o horizonte

Quando o arquiteto planejou o horizonte
seu coração ardia igual saudades...